UNESCO

Tradutor

domingo, 17 de agosto de 2014

CHICO BRITO DÁ POSSE

Embu das Artes já tem o seu Conselho dos Povos Tradicionais de Matriz Africana. Foi criado em 8/8, em reunião que contou com a presença de representantes dos segmentos de matriz africana da cidade, de secretários municipais e do prefeito Chico Brito. “Esse é um passo a mais na política pública de reconhecimento dos povos tradicionais e na ofensiva da identidade do povo brasileiro”, declarou o prefeito. Chegou a entoar um canto – “Eu vi mamãe oxum na cachoeira/Sentada na beira do rio/Colhendo lírio lirulê/Colhendo lírio lirulá” –, que disse ter aprendido no terreiro da tia, no Parque Arariba, e foi acompanhado pela plateia de cerca de 150 pessoas, no Centro Cultural Mestre Assis. O canto coletivo é uma linguagem, como um jogo musical de perguntas e respostas, usada tradicionalmente pelos povos de origem africana.
O presidente da Associação Federativa dos Templos de Ubanda e Candomblé de Embu das Artes (Afucea), babalorixá Alexandre d’Ogun, falou do Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos Tradicionais de Matriz Africana para o período de 2013 a 2015 e sua importância, dos povos jeje, ioruba e bantu. O povo bantu “está na base da origem do País e é o que mais imigrou nos últimos 200 anos”. Segundo ele, os povos contribuíram para a construção da língua portuguesa com mais de 5 mil palavras faladas no Brasil. “Que as casas de axé se articulem. O Estado tem uma reparação com o nosso povo, mas são vai acontecer se a gente não cobrar. Hoje é um dia de grande felicidade, de reflexão. Quero cumprimentar o prefeito pela abertura que nos tem dado”, afirmou Pai Alexandre.
Tatá Edson, do Fórum Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional dos Povos Tradicionais de Matriz Africana, fez considerações sobre crimes contra a humanidade. O termo de direito internacional define esses crimes como escravidão, assassinato, extermínio, deportação. São atitudes desumanas contra a população, incluindo perseguição por motivos religiosos, raciais ou políticos.
Para Marisa Araújo Silva, coordenadora da Assessoria de Promoção da Igualdade de Gênero e Raça, da Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Qualificação Profissional, “o Conselho dos Povos veio para consolidar um trabalho que já vinha sendo desenvolvido pelos povos, que têm cadeira no Conselho Municipal de Igualdade Racial (Compir)”. Segundo ela, os dois conselhos devem dialogar permanentemente. A assessoria recebeu mais reforço para isso. Conta agora com Chindalena, que veio contribuir na assessoria, na área técnica dos povos tradicionais de matriz africana.
Pai Odési, coordenador estadual de Articulação Política do Fórum Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional dos Povos Tradicionais de Matriz Africana (Fonsanpotma), que desenvolve o seu trabalho em Embu Guaçu, foi o mestre de cerimônia do encontro. Atuou ao lado de Ariele Moura, que conduziu o evento, com participação de babalorixás, ialorixás e comunidades.

Locais de oferenda

Valéria Romão Félix da Silva, de Umbanda, acredita que uma das mais importantes lutas do novo conselho será a liberação de locais para fazer oferendas, como cachoeiras, lagoas, “que estão em mãos de proprietários particulares que não entendem que esses lugares são de todos”. O prefeito já se adiantou a essa questão, oferecendo a colaboração da prefeitura para a limpeza dos locais, após os rituais de oferendas, “quando os povos determinarem que podem ser retiradas”.
Compareceram ao encontro secretários municipais Roberta Santos (Assistência Social, Trabalho e Qualificação Profissional), Geraldo (Gera) Juncal (Gabinete), José Ovídeo (Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), Francisco Iderbal Teixeira Jr (Assuntos Jurídicos) e outros.

Conselheiros

Povo Bantu: Richard Pablo, Ebomy Amanda Antoniolli e Patrícia
Umbanda: Pai Jefferson, Pai Ozair e Mãe Nene
Povo Ioruba: Pai Leo, Mãe Viviane e Pai Adaison
Povo Jeje: Ekedy Cláudia, Elizabeth e Shirley
Afucea: Pai Alexandre e Ya Ana Rita
Fonsanpotma: Mãe Edna e Pai Odesi

Representante do Povo Bantu

Richard Pablo (Águas de Oxum)
Ebomy Amanda Antoniolli (Águas de Oxum)
Patrícia O. Antoniolli (Águas de Oxum)

Representante da Umbanda

Pai Jeferson Virmondes da Costa  (Terreiro de Umbanda Ogum Guerreiro e Katina da Silva)
Pai José Ozair (Casa de Pai Benedito Caboclo de Ubirajara)
Mãe Nene - Adelina Martins da Costa (Terreiro de Umbanda Pai Xango)
Representante do Povo Yoruba
Pai Leo de Logun - Leopoldino A. de Campos (Ile Ode Loreci)
Mãe Viviane Silva (Ile Alaketu Asé Ogun Onire)
Adailson Jacobina de Oliveira (Ile Ase Oju Oba)

Representante do Povo Gege

Claudia Eliane da Silva Sobrinho (Nago Vodun Ipo Minare)
 Elizabeth de Oliveira ( Nago Vodun Ipo Minare)
Shirley Evely Silva Barbosa ( Nago Vodun Ipo Minare)

Representante da Associação Federativa dos Templos de Umbanda e Candomblé (Afucea)

Pai Alexandre Rodrigues,
Ya Ana Rita da Encarnação

Representante do Fórum Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional dos Povos Tradicionais de Matriz Africana (FONSANPOTMA)

Mãe Edna Carvalho,
Pai Odesi - Manoel Domingues


Jornalista Paulo Rebelo
Fonte  http://www.embudasartes.sp.gov.br/noticia/ver/6853

Sem comentários:

Enviar um comentário